Adriano B. 54 anos

No meio de uma manhã ventosa e fria, encontrei o Sr. Adriano cheio de pressa. Construtor civil, começou por me dizer que vai fechar a sua empresa: "estou numa idade de relax já e isto não são tempos de brincadeira. Não devo nada a ninguém, tenho tudo organizado na minha vida, tenho uns negócios que me dão algum rendimento, não me vou chatear mais... nem com seguranças sociais, nem com nada. Mas isso tudo foi com dinheiro ganho na Bermuda”, conta ele. “Já trabalho há 23 anos por minha conta, mas só depois de ter ido trabalhar na agricultura para ser camponês, porque o meu pai não me deixou ser mecânico aos 14 anos. Larguei aquilo aos 16 e fui para a construção. Aos 18 já era operador de grua, mas fazia o turno da noite.... e estar a 70 metros de altura não foi fácil, aquilo tremia muito!”, diz-me a rir. “Até fui ao médico devido aos nervos”, continua, a rir. Conta que na Bermuda é que se ganhava bastante dinheiro, e emigrou “porque não havia muito trabalho cá, e lá havia muito, mas era muito calor, muito calor mesmo. Aguentei, fiz o dinheiro todo que podia, fazia dois dias de trabalho num, mas era tanto calor que eu não aguentei mais, isto hoje aqui para mim é que é óptimo", conta com um sorriso constante. Agora, casado há 33 anos e pai de dois filhos, diz que está pronto para relaxar: “tenho a vida organizada, fiz uma casa para o meu filho, tenho já um sitio para fazer uma casa para a minha filha - que está quase acabar a universidade - e só quero aproveitar o tempo. Estamos cá nesta vida tão pouco tempo que temos de aproveitar". Sr. Adriano, que aproveite da melhor forma a sua vida agora, sempre com essa boa disposição. 

Lagoa. 31 de Dezembro de 2015
Rui Soares


rui soares

Retratos e histórias por Miguel A. Lopes / Rui Soares / Rui Miguel Pedrosa / João Porfírio .

Sem comentários:

Enviar um comentário