Maria Deolinda André, 65 anos

Maria Deolinda André, 65 anos. Começamos a conversa com a dona Maria a esclarecer que é peixeira, natural da Vieira de Leiria - uma terra de pescadores - e presença habitual no mercado de Tomar, Ourém, Marinha Grande e Leiria. “Sou negociante de peixe. Comecei a acompanhar o meu pai aos 14 anos, ainda o mercado era no Mercado Santana, em Leiria. Nessa altura é que vendíamos bem. Dava gosto. Apesar de estarmos lá quase todos os dias, estávamos sempre desertos que chegasse a sábado para ir ao mercado. Quando inauguraram o Mercado Municipal de Leiria, tive de começar a vir para aqui. Durante alguns anos que este era um mercado recheado de gente. Sempre cheio. Não tinha nada a ver com o que é actualmente. Na altura, havia muito mais vendedores, clientes e, mais importante ainda, vendia-se três vezes mais”, conta Maria Deolinda. De facto, recordo-me bem, quando era miúdo, de lá ir, e sem dúvida que era um local movimentado. Mas, para Maria, o problema dos mercados municipais são as grandes superfícies comerciais. “As pessoas estão cada vez mais comodistas, em vez de se preocuparem com a qualidade e com o produto fresco. Nessas superfícies há produtos que eles dizem ser frescos e sabemos bem, que por vezes, estão lá duas ou três semanas à venda. Coisa que nós, aqui, podemos sempre ir adaptando os preços para que os produtos frescos sejam vendidos. Poucos percebem que esses locais nunca vão ter a mesma qualidade que os mercados”. “Se não houver ninguém que meta mão nisto, teremos os dias contados. Não há obras de renovação que melhorem esta situação. Ainda para mais, agora que dizem não haver dinheiro para remodelações, não percebem que enquanto o tempo passa, cada vez será mais complicado. Depois, apenas nos resta o triste desfecho de ir para a reforma. Não tenho dúvida que as grandes superfícies mataram este comércio”, diz, com mágoa, Maria Deolinda.

Leiria, 15 Março 2016
Rui Miguel Pedrosa


Rui Miguel Pedrosa

Retratos e histórias por Miguel A. Lopes / Rui Soares / Rui Miguel Pedrosa / João Porfírio .

Sem comentários:

Enviar um comentário