Eduardo Ferreira, 54 anos

Eduardo Ferreira, 54 anos. Proprietário de um café onde costumo parar muitas vezes de manhã - o Lectus - o Sr. Eduardo começou por me dizer: “Epa isto é do banco! Estou aqui desde 2009 e vamos tentando viver o dia a dia mas isto não está fácil... uns cafés aqui e é isso." Aceita e orgulha-se que o chamem 'taberneiro' porque esta sempre foi a sua vida, sendo que ainda na escolha primária já vendia em tabernas e tascas: “antes de ir para a escola às 8:30, eu ia para a taberna porque o proprietário não sabia ler nem escrever, e então precisava de alguém para marcar os fiados ou o “rol”. Vendia cachaça, vinho e afins aos homens da terra porque o patrão, por tradição e costume, pagava sempre aos homens que iam trabalhar o “mata-bicho” - a aguardentezinha da manhã. Depois à noite, o patrão voltava e pagava o “quartilho” - à moda da Ribeira Grande." Conta-me entre risos, que é do tempo em que se vendia um barril de vinho de 100 litros por serão, mas depois com um tom meio nostálgico, diz que infelizmente já não existem destas tascas típicas; "é um sinal dos tempos, a agricultura está como está e já não se vê nada disso”. Não se arrepende de nada na sua vida, mas, olhando para trás, se tivesse tido outra opção, se calhar teria escolhido outra profissão: "gostava de ter podido trabalhar na terra... mas na altura apareceu aquele trabalhinho e o meu pai decidiu que tinha de ir trabalhar porque não havia dinheiro para estudar. Felizmente que as coisas evoluíram... hoje seria mais fácil dar mais continuidade aos estudos.” Falando sobre planos para o futuro, diz-me que está preparado para "dar lugar aos mais novos", pensado já na reforma daqui uns 5, 6 anos. “Eu já tou pronto... Já tenho os meus filhos resolvidos na vida, temos altos e baixos mas somos umas família feliz e unida, agora basta continuar a ter saúde e depois gozar o resto do tempo que falta.” Obrigado, Sr. Eduardo!

Ribeira Grande. 27 de Maio de 2016
Rui Soares


rui soares

Retratos e histórias por Miguel A. Lopes / Rui Soares / Rui Miguel Pedrosa / João Porfírio .

Sem comentários:

Enviar um comentário