Nuno Botelho, 33 anos

Nuno Botelho, 33 anos. Desta vez, de novo, foi o meu estranho que me encontrou, ele aproximou-se e disse-me: “olha tu entrevistaste o meu pai”, e aproveitei para o convidar para fazer parte do projecto também. Perguntei-lhe sobre o que tinha achado da “entrevista” que fiz ao pai: “achei muito bom e é assim, o meu pai, nem tenho palavras, é o meu ídolo e herói, começou a trabalhar desde de muito novo, perdeu a minha mãe e nunca baixou os braços, criou-nos a todos de uma forma exemplar, nunca me faltou nada, ele teve um papel de mãe e pai..é o meu ídolo”. Sobre si contou-me que é ex-militar e actualmente nadador salvador: “sou nadador salvador nos verões, fui militar até 2010 e tenho estado desempregado, mas todos os verões, tenho sempre sitio para trabalhar, o que é óptimo, sou como a formiga, trabalho no verão para render para o inverno”, e quando lhe perguntei sobre alguma situação, disse-me prontamente: “bem uma vez, uma colega minha, e isto foi das cómicas, no seu primeiro salvamento, foi para a agua com tudo o que tinha nos bolsos, ela ficou tão estressada que levou o telemóvel, os óculos, carteira, tudo para a agua,” e depois passando para um tom mais sério: “a que mais me marcou, foi uma situação que aconteceu aqui o ano passado, um miúdo teve um acidente na Caloura..deu um mergulho, bateu com a cabeça e ficou paraplégico..tive que ir lá buscar, ao mar, foi uma situação muito muito muito grave, foi muito difícil e até hoje ainda não consegui esquecer..ele ficou paraplégico com 25 anos..”. Terminamos a falar de algo mais pessoal, do seu passado, e a forma como conseguiu fugir a alguns vícios: “faço alguns planos, se calhar aqueles mais imediatos do dia a dia, agora em termos de planos futuros é muito difícil, e a própria vida tem-me ensinado que dá muitas voltas num segundo, olha o meu exemplo, já fui, digamos, viciado em drogas, dependente e hoje em dia, passados 8 anos, sou uma pessoa diferente, consegui focar-me no desporto, estava completamente desnorteado e sem rumo na vida, mas com sorte e ajuda, bem acho que sou uma pessoa nova e diferente, acho que me posso chamar de atleta e tudo..e neste momento estou muito bem, espero ser ainda mais feliz porque, acho que o meu tempo ainda não chegou..hoje és uma coisa, mas amanhã poderás ser outra..” Boa sorte no triatlo Nuno e que não tenhas que fazer muitos salvamentos este verão.

Lagoa. 12 de Junho de 2016
Rui Soares


Rui Miguel Pedrosa

Retratos e histórias por Miguel A. Lopes / Rui Soares / Rui Miguel Pedrosa / João Porfírio .

Sem comentários:

Enviar um comentário