Sara Sousa, 30 anos

Sara Sousa, 30 anos. Tinha 18 anos quando, influenciada pelo grupo de amigos que trabalhavam na mesma área, que teve interesse em trabalhar em bares, como barmaid, na Praia da Vieira. “Felizmente, naquela altura, os perigos da noite eram bem diferentes do que são hoje em dia. Mas, na realidade, nunca me assustaram. Creio que por ter um bom relacionamento com os colegas, acabei por estar sempre bem guardada e nunca me sentir insegura. Presenciei algumas confusões mas nem me metia e ficava afastada”, conta Sara. Diz, não se recordar de alguma vez que tenha sentido algum tipo de abuso mais sério. Mas, revela que o segredo era sempre o mesmo: ignorar e avisar o segurança. “Mais tarde, acabei por vir trabalhar para Leiria para poder conciliar com o curso que estava a fazer. Acabei o curso e há cerca de 6 anos que tive de deixar de trabalhar como barmaid porque se foi tornando complicado conciliar ambas as profissões. Agora, trabalho como responsável de berçário, onde cuido de crianças entre os 4 meses até 1 ano. É uma área que sempre gostei porque gosto bastante de crianças. Mas, reconheço, que o bichinho de ser barmaid, ficou sempre. Aliás, ele está cá e, brevemente, acho que irei voltar a fazê-lo. Um dinheiro extra dá sempre jeito. Mas, acima de tudo, porque eu gostava mesmo do que fazia”, revela, sorrindo. Depois, com alguma timidez, diz sorrindo, que não tinha nada para contar. Conversa puxa conversa, revela, que na companhia do marido decidiram começar a fazer voluntariado. “Tínhamos presente que queríamos ajudar, dentro dos possíveis, quem precisa. Mas, confesso que, sinceramente, para integrar as equipas de rua, acho que ainda não estou emocionalmente preparada. Fico destroçada com alguns casos que acompanhamos. Acredito, que com o tempo irei conseguir. Faz-nos sentir bem. Mesmo nos casos que nos comovem e conseguimos ajudar faz-nos ficar de coração cheio”, confessa.

Leiria, 20 Agosto 2016
Rui Miguel Pedrosa


Rui Miguel Pedrosa

Retratos e histórias por Miguel A. Lopes / Rui Soares / Rui Miguel Pedrosa / João Porfírio .

Sem comentários:

Enviar um comentário